Esporotricose: pesquisadores esclarecem sobre a doença, que pode afetar animais e humanos

Esporotricose: pesquisadores esclarecem sobre a doença, que pode afetar animais e humanos
Vídeo: 

É uma doença caracterizada por lesões na pele, causada por um fungo (Sporothrix schenckii). Vários animais, inclusive o homem, podem contrair a Esporotricose. Este fungo é encontrado na natureza, e pode-se adquirir a doença por ferimentos com vegetais, contato com a terra e arranhadura e mordedura de gatos que tenham a doença.
Atualmente, o gato doente é considerado o principal transmissor da doença para o homem e outros animais.

O gato é o animal doméstico mais sensível à Esporotricose. Adquirem a doença através de brigas e traumatismos, que ocorrem principalmente durante o acasalamento, quando os animais vão às ruas. A doença se inicia com o aparecimento de feridas, geralmente na face e membros, que progridem para o restante do corpo.

O cão raramente adoece, e dificilmente transmite a doença a outros animais. A Esporotricose no cão, quase sempre, se inicia com feridas no focinho, membros ou no corpo, e ocorre após contato com gato doente.

No homem, na maioria das vezes, surge uma lesão avermelhada no local do traumatismo causado pelo gato, que pode desaparecer ou aumentar de tamanho e vir acompanhada de outras lesões enfileiradas. Também podem aparecer dores nas articulações, febre e outros sintomas gerais. Não ocorre transmissão entre pessoas.

O diagnóstico é feito através do reconhecimento da lesão por um médico, no caso da doença humana, ou um médico veterinário, em animais, e confirmado laboratorialmente através do encontro do fungo no material colhido na lesão.

A Esporotricose tem tratamento, principalmente quando é diagnosticada corretamente e em estágio inicial. É feito através do uso de medicamentos antifúngicos orais por período de tempo prolongado. Estágios avançados da doença, com múltiplas e graves lesões, são de difícil tratamento, e esta indicação deve ser avaliada criteriosamente pelo médico veterinário. Casos graves podem levar o animal à morte. O tratamento deve ser completo e sem interrupções, para que se alcance bons resultados, tanto nos animais quanto no homem.

Prevenção

• Usar luvas ao manipular gatos doentes;
• Limpar o ambiente com água sanitária;
• Gatos em tratamento devem ser mantidos em local seguro e isolado;
• Durante todo o tratamento, o animal poderá transmitir a doença ao proprietário;
• Cremar os animais mortos. É importante não jogá-los no lixo, rios ou enterrá-los, pois o fungo sobrevive na natureza;
• Não realizar curativos locais e não banhar gatos com Esporotricose;
• Castrar gatos e gatas saudáveis para diminuir as saídas à rua e a possibilidade de transmissão da doença.

Fonte: Prefeitura do Rio de Janeiro
http://www.rio.rj.gov.br/web/vigilanciasanitaria/esporotricose
 

Seu sofá está sujo?

CHAME QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO!

Tels.: (21) 99148-1513 WhatsApp