Apadrinhar: Amar e Agir para Realizar Sonhos

Apadrinhar: Amar e Agir para Realizar Sonhos

PROGRAMA DE APADRINHAMENTO

O Programa de Apadrinhamento do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro estabelece três tipos de padrinhos: padrinho afetivo, padrinho provedor e padrinho colaborador.

Padrinho afetivo é aquele que visita regularmente o afilhado, buscando-o para passar fins de semana, feriados ou férias escolares em sua companhia, proporcionando as promoções social e afetiva e revelando a ele as possibilidades de convivência familiar e social saudável.

Padrinho provedor é aquele que dá suporte material ou financeiro à criança e ao adolescente, seja com realização de obras nas instituições de acolhimento, doação de móveis, de aparelhos, equipamentos, utensílios, materiais escolares, calçados, brinquedos e etc., seja com o patrocínio de cursos profissionalizantes, reforço escolar, prática esportiva e, até mesmo, por meio de uma contribuição mensal em dinheiro em conta-poupança, que será aberta em nome do afilhado com movimentação somente mediante autorização judicial, ou quando de sua maioridade civil.

Padrinho Colaborador é o profissional que se cadastra para atender às necessidades institucionais de crianças e/ou adolescentes, conforme a sua especialidade de trabalho, sendo um fornecedor  de serviços médicos, odontológicos etc.

Para mais informações, acesse aqui

Baixe a cartilha do programa aqui


ENTREVISTA NO PROGRAMA DO JÔ

Em entrevista no Programa do Jô, em maio de 2015, o juiz titular da 4ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso da Capital do Rio de Janeiro, Sérgio Luiz Ribeiro de Souza, idealizador do Projeto Apadrinhar, explica sobre a situação das crianças e dos adolescentes sem perspectivas de reintegração familiar, no Brasil.

Durante a conversa com o Jô, o juiz Sérgio falou sobre os desafios nos processos de adoção e sobre as possibilidades de apadrinhamento criadas pelo projeto. “O importante desse projeto é fazermos a ligação entre quem quer ajudar e quem quer ser ajudado, na medida que precisa ser ajudado”, explica o juiz. O projeto Apadrinhar busca estabelecer laços na medida certa da necessidade das pessoas atendidas.

Vale a pena assistir ao vídeo aqui

 

Seu sofá está sujo?

CHAME QUEM MAIS ENTENDE DO ASSUNTO!

Tels.: (21) 99148-1513 WhatsApp